FANDOM


A República Federal Proletária de Kirovo é um país soberano localizado no continente de Minarcácia, mais especificamente na região de Minarcácia Central. O seu território é formado por 7 estados federativos (Korvira, Makif I'liad, Aerdyan, Dyungoh, Kirskorvy, Firsov e Levina) fazendo fronteira ao leste com Marélia, ao nordeste com Amuperm, ao norte com Ladônia, ao oeste com Aralya e ao sul com o Mar de Parlah e as Ilhas de Palasiadih. O seu território abrange 1.578.236 km², sendo assim o 4º país mais extenso da Minarcácia Central. Possui uma população com mais de 165 milhões de habitantes, o que o torna o 3º país mais populoso de Minarcácia Central.

Possui a 2º maior economia da Minarcácia Central por PIB e tem em suas raízes um forte militarismo, que porém nos últimos 30 anos vêm buscando a pacificação da região e resolução de divergências por meio de negociações e diálogo. É país integral do Conselho de Paz de Minarcácia, e também do Subconselho Integral de Decisões de Guerra e Paz. Participa do bloco econômico APCK (Acordo Palasiadiano-Corkirskiano-Kiroviano) que prega e criou o livre-comércio entre os três países.

É um país laico, democrático-proletário e de bem estar social segundo sua constituição estabelecida na Constituição de 2010, logo após a Revolução de 2008. 

HistóriaEditar

A história de Kirovo é composta por revoltas, militarismo e guerras. Porém, a formação do Estado Nacional de Kirovo só realmente ocorre em 1789, após a guerra de independência do antigo Império Lyandri. Suas fronteira vêm sofrendo constante alteração, tendo sua última alteração oficial ocorrida em 2045.

Antiguidade e Civilização Korvir (5000 AE - 973 DE)Editar

Baseado em pinturas rupestres encontradas nas Montanhas de Korvir, há a crença de que a região de Kirovo é habitado desde 5000 AE. Como o centro da sua região é composta pelo Rio Aerdyum e pelas Planícies Aerdyanas que circundam o rio, ela sempre foi atrativa para migrações dos mais diversos povos, tendo resquícios até de populações Lestálicas. 

Após 5120 anos aproximadamente, a população que vivia na região de Kirovo, conhecida como Korvira, se encontra com os povos Lestálicos, os Dyung, que trouxeram aprimoramentos como a escrita e a agricultura. Após esse período é conhecido a primeira era de ouro de Kirovo, onde é vivido desde 130 DE até 970 DE com pouquíssimas guerras (com a maioria das batalhas travadas trazendo vitórias) e grande comércio com os povos Lestálicos, pois foram os primeiros a conseguir ensinar de forma eficiente a comunicação entre povos com sinais e com uma criação familiar bilíngue.

Era Fragmentada (973 DE - 1433 DE)Editar

No ano de 973 DE, ocorre o ataque do Império Marik, vindo do continento Ameuriliano, nas terras do povo Korvira (que abrangiam todo o Rio Aerdyum) e começa o que é chamado de Guerra dos 80 anos (mais exatamente 87 anos). O Império Marik vinha se expandindo rapidamente devido a sua religião expansionista, o Malikaf, e a sua grande rotas de comércio em seus territórios, que geravam grandes riquezas que foram o que pagaram as despesas de suas guerras expansionistas para conquistar mais rotas de comércio.

Korvira foi totalmente fragmentada ao fim da Guerra dos 80 anos no ano de 1060 DE, dando origem a Era Fragmentada de Kivoro, onde haviam 7 reinos, sendo que todos (somente logo após a Guerra dos 80 anos) eram vassalos do Império Marik.

O Império Marik começou a se enfraquecer no ano 1367 DE, pois o povo Lestálico de Ordávia estava atacando seus principais portos e rotas de comércio para saquear e ganhar o monopólio das rotas. A religião também havia enfraquecido após o Saque de Marik A'Fhar, cidade sede espiritual da religião Malikaf, pois em seus escritos era pregado que a cidade nunca seria encostado por outros povos, dando assim descrença às escrituras e também após casos de corrupção envolvendo os Malikar e o Imperador Marik. Com esse enfraquecimento começa as guerras de independência de 3 dos 7 estados do povo Korvira (Levina, Aerdyan e Dyungoh) na década de 1370 DE. Após 23 anos, no ano de 1397 DE, os 3 estados conseguem sua independência e formam o Reino de Aervina. Durante a Guerra de Independência de Aervina, no ano de 1392 DE, começa a Guerra de Indpendência dos outros 4 estados do povo Korvira (Korvira, Kirskovy, Firsov e Iguthad) e assim terminando somente em 1433 DE, formando o Reino de Koristhad.

Os Dois Reinos e o Império de Aralya (1433 DE - 1789 DE) Editar

O Reino de Koristhad foi o primeiro a se dizer merecedor do povo Korvira, pois tinha a principal cidade da época Korvira, a cidade de Kirov, nos seus territórios. Assim receberam uma resposta do Reino de Aervina, que se dizia merecedor por serem os reais guerreiros pela independência. Do ano de 1456 DE até 1513 DE houve a Guerra dos Dois Reinos, que foi iniciada após o assassinato do Rei Krayev III na sua corte por um guarda rebelde, que, segundo conspirações, seria Aervino. Seu filho, Krayev Ilyuanov I, assume e toma uma postura diferente da do pai, que era pacifista e tentava de alguma forma se reunir ao povo de Aervina, e inicia a Guerra dos Dois Reinos pela reunificação do povo Korvir. Porém, em 1513 DE a guerra chega ao seu fim com a invasão do Império de Aralya nas terras dos dois reinos.

O Império de Aralya vinha se expandindo a oeste nas terras longínquas e frias, porém não estavam achando lucro e necessitavam urgentemente de riquezas, mão de obra e terra fértil. Os dois reinos estavam logo ao lado de Aralya, que rapidamente os invadiu e os anexou no ano de 1517 DE. Aralya cresceu e dominou toda a região de Minarcácia Central, tendo sua era de ouro dos anos de 1535 DE até 1692 DE, que foi período da Reforma Cientista, obtendo grandes avanços químicos, biológico e físicos com grandes pensadores como Yathirim Monukjalrin (1543 - 1599), Ralak Vargli (1560 - 1633) e Rinkar Mofarkthor (1577 - 1662). Esses avanços sustentaram o exército Aralyano e sua economia até 1692, quando houve a Praga de Mpestafhor, que espalhou uma doença por todo o Império de Aralya, infectando as plantações e até pessoas, principalmente nobres, tendo o caso famoso do Imperador Hagril IV (1649 - 1701) que morreu por causa da Praga, fazendo assim com que as rotas comercias fossem fechadas e tornaram o Império vulnerável.

Aidásia havia acabado de se apossar de terras do leste de Minarcácia Central após a compra de terra do Império Aralyano no ano de 1702. As terras eram férteis, mas não como as de Korvir e Morélia. Aidásia foi atraindo mais riquezas após a Praga, e foi crescendo economicamente e militarmente. No ano de 1762 é declarada a Guerra Aidasi-Araly, que durou até o ano de 1839. Durante o período de guerra, muita da população Aralyana bateu em retirada para as terras ao oeste para fugir e ganhar forças contra o inimigo, e essa retirada abriu a brecha para Kirovo ter sua independência. Kirovo declara Guerra de Independência contra o Império Aralyano em 1777, apoiados pela Aidásia, que viu nisso a oportunidade de enfraquecer ainda mais o Império e de que talvez Kirovo se tornasse vassalo de suas terras. Porém, em 1783 a Guerra contra o Império já havia sido vencida, mas Aidásia queria as terras de Kirovo, que lutaram bravamente contra na Batalha de Brandyliur, virando a guerra e chegando as cidades fronteiriças da Aidásia. Em 1789 a Aidásia reconhece que perdeu a Guerra de Indpendência e também que Kirovo é um Estado Nacional.

A Dinastia Sem Trono, O Reino Parlamentar Público de Kirovo e a Primeira República (1789 DE - 1939 DE) Editar

A independência foi conquistada e Kirovo se consolidou como Estado Nacional. A primeira forma de governa imposta foi a antiga Dinastia Ástgurdimil, descendentes diretos da antiga Monarquia Koristhad. Boa parte da população não concordava com os governantes e duvidavam sobre sua legitimidade, clamando assim por uma nova dinastia. A Dinastia Ástgurdimil foi dura e sangrenta na repressão contra opositores, até criarem o mártir de Sigard Lozenro (1808 - 1839). Sigard era um operário nas fábricas metalúrgicas de Gormacar, porém quando o governo decidiu aumentar os impostos, Sigard não pôde pagar e começou a organizar greves gerais na região de Levina. Alguns meses depois, Sigard é encontrado morto dentro da caldeira da metalúrgica com seus filhos e esposa. O mártir de Sigard Lozenro nunca foi esquecido e é lembrado até os tempos contemporâneos. Com o assassinato, a pressão sobre os monarcas cresceu de forma abrupta, fazendo assim com que eles fossem obrigados a ceder. Tendo que fugir de cidade em cidade para não serem mortos, foram conhecidos como a Dinastia Sem Trono até o dia em que foi assinada a Constiuição.

A Constituição Humana de 1840 é um marco histórico na região, e além de benefícios trabalhistas, alterou a forma de governo. Ela pregava igualdade e justiça a todos, e criava uma Monarquia Parlamentar Pública. Esse tipo de governo consiste em 7 Casas Legislativas, sendo uma de cada estado. Só poderiam ser eleitas pessoas não relacionadas diretamente às Dinastias e Monarquias existentes. Cada Casa Legislativa teria no mínimo 365 cadeiras, sendo que podia chegar até 615 cadeiras, porém essas 250 cadeiras bônus eram distribuídas de acordo com a população de cada estado para representar melhor. As 7 Casas escolhiam um Primeiro-Ministro para cada, que os representaria no Governo Central e Conselho. Os 7 Primeiro-Ministros podiam escolher entre si quem seria o Presidente durante 1 ano. As leis federais teriam que ser aprovadas nas 7 Casas, e as votações das leis federais tinham que ser feitas em todas as Casas em um prazo de 7 dias no momento que uma delas iniciasse. Leis estaduais eram votadas individualmente. A Dinastia Sem Trono, continuou sem poder e virou forma de representação do estado e política apenas, tendo nenhum poder executivo, legislativo ou judiciário.

Após um longo período de paz, Kirovo se encontra em guerra contra os Aralyanos no ano de 1882, lutando contra a região das Montanhas de Ilvorn, que continham ouro, ferro, carvão e Iliadry (ainda pouco aproveitado). O mercado necessitava de expansão e além dos recursos que a região oferecia, há também a Rota do Minério, famosamente conhecida por ser um dos principais caminhos para fundição e exportação do ferro. O território, durante o Império Aralyano foi ocupado por Aralya, tendo sua população majoritariamente composta por Aralyanos, porém era território oficial de Korvir. Após a independência a região foi dividida, pelos Aralyanos, de forma que a Rota do Minério não foi afetado, mas Kirovo tinha planos de expansão e a rota era mais do que essencial.

A Guerra do Minério durou até 1901, quando Kirovo teve que se retirar, perdendo assim a região das Montanhas de Ilvorn, devido ao golpe monárquico da Dinastia Ástgurdimil, que tomou o poder q se rendeu para estabilizar seu poder e o país. A atitude deixou a população civil e militar revoltada, pelo gasto na guerra, pelas mortes em vão e pelo golpe num país soberano. Em 1904 o Rei Hejen sancionou a Lei Produtiva. A lei retrocedia e extinguia muitos dos direitos trabalhistas (como 10 horas diárias máximas de trabalho, salários mínimos e subsídios) e impôs que o trabalhador que não fosse declarado produtivo pela instituição que trabalhava receberia punições, como trabalhar de graça, ou pagar multas. Terras que fossem apenas utilizadas para moradia (principalmente de operários) seriam extintas e devolvidas ao Estado para se tornarem produtivas. Pessoas que fossem consideradas custosas ao governo, não receberiam a ajuda integral do governo. Isso inflou o setor público de trabalho e cresceu a inadimplência da população, caindo a receita do governo e aumentando sua dívida pública. Após forte repressão governamental, Rocas Mesgard (1886 - 1935) se tornou o líder da Revolta Popular e dos partidos trabalhistas de Kirovo. Em 1907, Rocas, juntamente com a Revolta Popular e os Partidos, declara Guerra Civil à Dinastia Sem Trono.

O Partido da Revolta Proletária (PRP) e o Partido Popular Democrático Trabalhista (PPDT) apoiaram fortemente Rocas em suas campanhas militares contra o governo ilegitimo. Atuaram em propaganda e em poderio militar, incluindo mão de obra para a guerra, de forma essencial e conseguiram, juntos, em 1912 derrubar o governo ilegitimo. A Dinastia Sem Trono foi inteiramente morta e queimada viva em praça pública e fizeram questão de espalhar a notícia para outros Estados Nacionais. Foi decidido então, na Assembléia Extraordinária Constituinte de 1913 que seria criada a República Federativa dos Estados Unidos de Kirovo. Se baseava em um Senado com 49 cadeiras e um Câmara Legislativa com 357 cadeiras para distribuir igualmente entre os estados, mais 250 cadeiras bônus distribuídas de acordo com a população de cada estado. Contava com Presidente, Governadores e Prefeitos. Na eleição de 1914 foi eleito, com 73,3% dos votos populares, Rocas Mesgard, pelo Partido Social-Democrata Proletário (PSDP - Junção dos antigos partidos PRP e PPDT) como o primeiro presidente de Kirovo. Foram anos de bonança econômica sob a guia de Roban Forth'chel (1876 - 1949), o Ministro da Fazenda durante o governo Mesgard que durou de 1914 até 1935. Rocas em 1935 morre assassinado, e informantes indicam que foram planos Aralyanos para criar um vácuo de poder e crescimento do país. Porém, Forth'chel assumiu como presidente interino de 1935 até 1936 para não criarem outra guerra e estabilizar o país. O ano eleitoral de 1936 teve Forth'chel, pelo Partido Continuar a Marchar Em Frente (PCMF), contra Halthony Jensyl, pelo Partido Marcha Para A Glória (PMG / 1892 - 1939), um ferrenho político que pregava a guerra contra Aralya e o fechamento das fronteiras para imigrantes.

Jensyl é eleito em uma apertada votação, com 41,2 % dos votos contra 38,9 % de Forth'chel. Jensyl começa então a política armamentista e triplica o efetivo do exército Kiroviano. Os gastos militares começam a afetar de forma negativa o orçamento em 1939, então Jensyl se vê obrigado a declarar guerra em Aralya para conseguir investimentos durante a guerra. Porém, quando ia assinar a declaração em seu gabinete, é estourada uma bomba em uma mala na sala presidencial que mata o presidente e deixa a população perdida e novamente sem governo, criando a Anarquia Kiroviana.

Anarquia Kiroviana, A Guerra de Existência e A Segunda República (1939 DE - 2001 DE) Editar

Aralya insiste em dizer que a bomba não fez parte de nenhum plano terrorista criado por eles. Porém Kirovo está sedento por guerra e com o governo em total desbande após a morte de outro presidente. Políticos e Elites fugindo para países vizinhos, deixando os operários nos países difíceis de se viver.

Cabeçalho de seçãoEditar

Escreva a segunda seção do seu artigo aqui.